Desfavelizar a cidade também é investir no planejamento familiar

Hoje resolvi falar de um assunto que aparentemente não tem relação com a desfavelização do Rio de Janeiro, mas tem mais a ver do que imaginamos: a necessidade do planejamento familiar, principalmente nas regiões faveladas do estado. Saiu publicado hoje, na Agência Brasil que o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) realizou hoje, em Brasília, debate sobre a importância do planejamento familiar para o bem-estar de famílias, comunidades e nações e a necessidade de maior integração desses serviços nos planos nacionais de desenvolvimento.

O debate marcou o Dia Mundial de População, cujo tema para este ano é Planejamento familiar: é um direito, vamos fazer disso uma realidade. O encontro discutiu sobre os principais desafios para tornar o direito ao planejamento familiar uma realidade de toda a população.

Análise inédita de dados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS-2006), lançada recentemente pelo Ministério da Saúde, será apresentada no evento, que deve contar com a presença de especialistas que participaram da elaboração do trabalho. 

Diferente da desfavelização, que aqui no estado ainda não acontece, o planejamento familiar ainda não é feito com a ênfase necessária.

Basta se falar de planejamento familiar para que venham à tona as mais diversas interpretações, a maioria distorcida, dos mais variados tipos de entidades pretensamente representantes de minorias.  

O resultado disso é uma taxa de natalidade da população de baixa renda muito superior à média do país. Isso é mais acentuado nas favelas, onde mulheres jovens engravidam precocemente e também tardiamente no período próximo ao início da menopausa. É o fenômeno das mães-criança e mães-avó. Não raramente netos e seus tios crescem juntos como irmãos. A taxa de fecundidade nas áreas mais carentes da região metropolitana do Rio de Janeiro se equivale a das mulheres no interior do Nordeste. Nas favelas do Rio há um crescimento populacional anual próximo a 7%, enquanto a média brasileira é de menos de 2%. Some-se a isso o maior número de pessoas por domicílio, precariedade habitacional, baixa escolaridade e ocupação ilegal do espaço urbano e teremos os ingredientes da bomba social de múltiplo efeito: exclusão social, desemprego, desigualdade e violência.

As famílias desestruturadas, muitas vezes sem a presença paterna, não têm meios de oferecer condições elementares de vida às crianças. O Estado, por sua vez, tem grande dificuldade de cumprir a sua obrigação assistencial.

Do jeito que as coisas vão mantém-se ao longo do tempo o status quo; a cidade dividida em duas, a formal e a informal. Perpetua-se a diferença e acentuam-se os contrastes; verdadeiro gatilho da violência urbana.

Planejamento familiar não significa apenas controle da natalidade. Este conceito é retrógrado e infelizmente vem sendo utilizado por minorias que pregam posições diferentes daquelas desejadas pela grande maioria da população brasileira. Planejamento familiar vai muito além. É sim controlar a natalidade como também é tratar a infertilidade e cuidar para que as mães e seus filhos tenham acompanhamento pré-natal e cuidados médicos e nutricionais. A educação sexual é o embrião do verdadeiro planejamento familiar. O foco deve ser na valorização da importância da família e do relacionamento sexual consciente e na hora certa.

2 Respostas to “Desfavelizar a cidade também é investir no planejamento familiar”

  1. nelson santos aranha Says:

    infelizmente o brasil é dominado por ongs que nao representam ninguem e sao um meio para pessoas inescrupulosas arrecadarem dinheiro dos incautos e dos desinformados além de pressionarem o estado
    para impor as suas ideias que só fazem mal ao pais. sou a favor da proibiçao de todo e qualquer tipo de ong. as decisoes no pais devem ser
    tomadas somente por pessoas eleitas democraticamente e os recursos do
    estado não devem ser repassadas para ongs que nimguem fiscaliza.

  2. Arraes Says:

    Nelson
    a idéia original era interessante mas foi desvirtuada e aproporiada pelas máfias. Aliás como quase tudo no Rio. Hoje é necessário que haja rigorosissímo processo de seleção se houver a necessidade de atuar com os, oscip ou ongs. Do jeito que foi feito o dinheiro público dava uma grande volta e terminava no bolso das pessoas que o haviam liberado para as ongs e assim era usado das formas mais absurdas inclusives finaciando campanhas eleitorais de candidatos representantes de grupos mafiosos.
    Arraes

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: