População de favelados em países pobres já chega a 78,2%

Hoje, está claro para todos que a favelização não é mais tolerável. Os mecanismos que levaram a este processo excludente foram resultado da omissão do Estado. Nunca houve investimento real em programas de habitação popular com o foco verdadeiramente voltado para esta população. No texto abaixo poderemos ver que 78,2% da população dos países pobres é de favelados. Se não fizermos algo. Se cada governo não fizer a sua parte, a situação ficará incontrolável. É inadimissível, em uma cidade como o Rio de Janeiro, com seu imenso potencial turístico, econômico… a luta diária de ambientalista spara a preservação do que resta de nossa Mata Atlântica… termos um crescente número de favelas e consequentemente da violência… O texto de Leonardo Boff nos dá uma idéia da dimensão do problema que precisamos enfrentar

        2007-08-22 – Carta Maior

Por Leonardo Boff

 O verdadeiro choque de civilizações

A expressão “choque de civilizações” como formato das futuras guerras da humanidade foi cunhada pelo fracasssado estrategista da Guerra do Vietnã Samuel P. Huntington. Para Mike Davis, um dos criativos pesquisadores norte-americanos sobre temas atuais como “holocaustos coloniais” ou “a ameaça global da gripe aviária”, a guerra de civilizações se daria entre a cidade organizada e a multidão de favelas do mundo.

        Seu recente livro “Planeta Favela”(2006) apresenta uma pesquisa minuciosa (apesar da bibiografia ser quase toda em inglês) sobre a favelização que está ocorrendo aceleradamente por todas as partes. A humanidade sempre se organizou de um jeito que grupos fortes se apropriassem da Terra e de seus recursos, deixando grande parte da população excluída. Com a introdução do neoliberalismo a partir de 1980 este processo ganhou livre curso: houve uma privatização de quase tudo, uma acumulação de bens e serviços em poucas mãos de tal monta que desestabilizou socialmente os países periféricos e lançou milhões e milhões de pessoas na pura informalidade. Para o sistema eles são “óleo queimado”, “zeros econômicos”, “massa supérflua” que sequer merece entrar no exército de reserva do capital.

        Essa exclusão se expressa pela favelização que ocorre no planeta inteiro na proporção de 25 milhões de pessoas por ano. Segundo Davis 78,2% das populações dos países pobres é de favelados (p.34). Dados da CIA, de 2002, davam o espantoso número de 1 bilhão de pessoas desempregadas ou subempregadas favelizadas.

        Junto com a favela vem toda a corte de perversidades, como o exército de milhares de crianças exploradas e escravizadas, como em Varanasi (Benares) na Índia na fabricação de tapetes, ou as “fazendas de rins” e outros órgãos comercializados em Madras ou no Cairo e formas inimagináveis de degradação, onde pessoas “vivem literalmente na m”(p.142).

        Ao Império norte-americano não passaram despercebidas as conseqüências geopolíticas de um “planeta de favelas”. Temem “a urbanização da revolta” ou a articulação dos favelados em vista de lutas políticas. Organizaram um aparato MOUT (Military Operations on Urbanized Terrain: operações militares em terreno urbanizado) com o objetivo de se treinarem soldados para lutas em ruas labirínticas, nos esgoto, nas favelas, em qualquer parte do mundo onde os interesses imperiais estejam ameaçados.

        Será a luta entre a cidade organizada e amedrontada e a favela enfurecida. Um dos estrategistas diz friamente: “as cidades fracassadas e ferozes do Terceiro Mundo, principalmente seus arredores favelados, serão o campo de batalha que distinguirá o século XXI; a doutrina do Pentágono está sendo reconfigurada nessa linha para sustentar uma guerra mundial de baixa intensidade e de duração ilimitada contra segmentos criminalizados dos pobres urbanos. Esse é o verdadeiro choque de civilizações”(p.205).

        Será que os métodos usados recentemente no Rio de Janeiro com a militarização do combate aos traficantes nas favelas, com verdadeiras execuções, já não obedece a esta estratégia, inspirada pelo Império? Estamos entre os países mais favelizados do mundo, efeito perverso provocado por aqueles que sempre negaram a reforma agrária e a inclusão social das grandes maiorias pois lhes convinha deixá-las empobrecidas, doentes e analfabetas. Enquanto não se fizerem as mudanças de inclusão necessária, continuará o medo e o risco real de uma guerra sem fim.

2 Respostas to “População de favelados em países pobres já chega a 78,2%”

  1. bianca Says:

    Olá.

    eu queria saber quantos são de favelados no brasil
    e quais são as principais favelas?

    Obrigadu..

  2. Arraes Says:

    Bianca
    o deficit habitacional no Brasil é de 8 milhões de pessoas. NO Rio são 1,5 milhões de pessoas. As maiores do Rio são Alemão, Maré, Rocinha e Jacarezinho
    ARRAES

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: