Por que a desfavelização foi possível na década de 60 e não é hoje?

Favela da Praia do PintoO que seria hoje de nossa cidade se a Zona Sul, maior arrecadadora de impostos da cidade e maior ponto de atração turística do Rio de Janeiro, se tivesse hoje boa parte de seu território favelizado. No Leblon, onde hoje conhecemos como Selva de Pedra, localizava-se a favela da Praia do Pinto. Quando passamos pelo Parque da Catacumba, na Lagoa, sequer lembramos da favela que um dia existiu ali. E a famosa Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) que foi feita após a desfalização da Favela do Esqueleto. Estas três comunidades foram extintas na década de 60. Das três, a que gerou resistência e polêmica foi a da Praia do Pinto. Já havia um processo de remoção das famílias, mas um incêndio acelerou todo o processo. Não se sabe até hoje, o que provocou o fogo.

Favela da Praia do Pinto

A favela do Esqueleto, na Tijuca, na Zona Norte da cidade, começou a ser erguida onde seria o Hospital das Clínicas da Universidade do Brasil . Como o hospital nunca ficou pronto deu lugar a famílias pobres. Após uma década, as famílias foram removidas e a Uerj construída. Além da universidade, também foi construída no espaço da antiga favela um bom pedaço da Avenida Radial Oeste. Na favela do Esqueleto a remoção foi pacífica. Houve cadastramento dos moradores que foram levados para conjuntos habitacionais.

Favela do Esqueleto

Já a favela da Catacumba, localizada em Ipanema, com vista privilegiada para a Lagoa Rodrigo de Freitas, foi extinta na década de 70. A maioria das famílias ( Cerca de cem mil pessoas, se juntarmos as três comunidades) foram transferidas para casas no subúrbio e na Zona Oeste do Rio.

Não concordo com a remoção para áreas tão distantes. Defendo que a transferência dos moradores de comunidades, no caso de transferência em um processo de desfavelização de nossa cidade, seja feita para locais próximos dos grandes centros empregadores e que o morador gaste basicamente o mesmo tempo para chegar ao seu trabalho ou escola que gastava antes.

Uma coisa não podemos negar: com a remoção destas três favelas, o Rio ganhou muito e os moradores também. Apesar de transferidos para locais distantes de onde moravam, puderam ter acesso à infra-estrutura, como água encanada e esgoto, além da conquista dos títulos de propriedade de suas casas. Isto foi possível um dia e é lamentável que hoje não se fale mais em desfavelização, que não se faça mais políticas como esta.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: